22 de julho de 2008

DISLEXIA


Definida como um distúrbio ou transtorno de aprendizagem na área da leitura, escrita e soletração, a dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição sócio-econômica ou baixa inteligência. Ela é uma condição hereditária com alterações genéticas, apresentando ainda alterações no padrão neurológico e deve ser diagnosticada por uma equipe multidisciplinar. A equipe de profissionais deve verificar todas as possibilidades antes de confirmar ou descartar o diagnóstico de dislexia. É o que chamamos de AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR e de EXCLUSÃO.
Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico melhor para os pais, à escola e à própria criança.
Haverá sempre: dificuldades com a linguagem e escrita, dificuldades em escrever, dificuldades com a ortografia e lentidão na aprendizagem da leitura.
Haverá muitas vezes: disgrafia (letra feia), discalculia (dificuldade com a matemática), dificuldades com a memória de curto prazo e com organização.
Haverá às vezes: dificuldades com a linguagem falada, dificuldade com a percepção espacial e confusão entre direita e esquerda.
Fique alerta na fase da educação infantil, pois se a criança não for acompanhada adequadamente, os sintomas persistirão e irão permear a fase adulta, com possíveis prejuízos emocionais e conseqüentemente sociais e profissionais.

7 comentários:

  1. Achei muito interessante esse "parecer" sobre o que é a dislexia.
    É difícil constatar se um aluno é, ou não, disléxico, afinal, nem toda criança que tem dificuldades de aprendizagem apresenta esse problema.
    Contudo, o "alerta" aos pais e aos educadores é muito válido, pois, é importantíssimo saber aonde buscar ajuda e como lidar com a criança que apresenta um quadro de dislexia.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Acredito que esclarecimentos sobre a Dislexia devam ser colocados e discutidos entre a equipe multidisciplinar (neurologista, pediatra, psicólogo, fonoaudiólogo, psicopedagogo) e professores(escola) que convivem com essas crianças. Cabem a esses profissionais, tanto o apoio ao paciente/aluno, quanto à sua família, buscando a melhor forma de intervir nestes casos, criando alternativas para que o aprendizado da criança e o seu desenvolvimento psico-social possam transcorrer fracassos e;ou traumas.

    Ass. Fonoaudióloga.

    ResponderExcluir
  4. Tenho alunos visivelmente disléxicos. Peço aos pais que os encaminhem a um fonoaudiólogo, mas a dificuldade é grande: tanto por parte da prefeitura que dispõe de pouquíssimos profissionais, como por parte dos pais, que não têm condições financeiras de realizar e manter o tratamento.
    Munira, Vila Velha, ES.

    ResponderExcluir
  5. lala e lili26/7/08 09:45

    adoro este site i por isso vou voltar a vir

    ResponderExcluir
  6. Psicopedagoga28/7/08 21:06

    É de muita importância o Blog tratar desse assunto, pois muitos são aqueles que ainda desconhecem a DISLEXIA e não sabem como proceder.
    Concordo plenamente com o Blog quando este refere-se a necessidade de se detectar o mais rápido uma possível criança disléxica, para que esta tenha o atendimento psicopedagógico devido e possa dar continuidade a vida escolar sem maiores prejuízos.

    ResponderExcluir
  7. oi sou terceira serie gostei muito do site tirei 10 em matematica por causa dos jogos educativos faz tabuadas mais dificeis para criaças do ensino fuandamental tenho 9 anos é obrigada por ter feito eu tirar dez e bom vcs fazerem jogos para as crianças se divertirem

    divertidamente ass: tina carvalho

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário!